Aplicabilidades

Fisioterapia no pós-operatório? É mesmo ne­ces­sá­rio?

A fi­si­o­te­ra­pia é uma ci­ên­cia da saúde que es­tuda, pre­vine e trata os dis­túr­bios ci­né­ti­cos fun­ci­o­nais in­ter­cor­ren­tes em ór­gãos e sis­te­mas do corpo hu­mano, ge­ra­dos por al­te­ra­ções ge­né­ti­cas, por trau­mas e por do­en­ças ad­qui­ri­das, na aten­ção bá­sica, mé­dia com­ple­xi­dade e alta com­ple­xi­dade. Possui me­ca­nis­mos te­ra­pêu­ti­cos pró­prios para de­vo­lu­ção da fun­ci­o­na­li­dade.”

Ofi­si­o­te­ra­peuta uti­liza di­ver­sas fer­ra­men­tas para ga­ran­tir a re­cu­pe­ra­ção fun­ci­o­nal ade­quada de seu pa­ci­ente, se­guindo cri­té­rios para isso:

AVALIAÇÃO: É o mo­mento onde o pro­fis­si­o­nal iden­ti­fica as es­tru­tu­ras aco­me­ti­das: Pele, sub­cu­tâ­neo, mús­cu­los, ner­vos e ar­ti­cu­la­ções.

FISIODIAGNÓSTICO: Identifica os dé­fi­cits fun­ci­o­nais que se­rão abor­da­dos du­rante o tra­ta­mento.

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO: De acordo com as in­for­ma­ções ob­ti­das na ava­li­a­ção e com o fi­si­o­di­ag­nós­tico, pla­neja quais téc­ni­cas se­rão uti­li­za­das na­quele in­di­ví­duo, sem­pre com um ob­je­tivo es­pe­cí­fico a ser al­can­çado, com isso, se­le­ci­ona a me­lhor op­ção te­ra­pêu­tica.

TRATAMENTO: Coloca em prá­tica o pla­ne­ja­mento do tra­ta­mento, sem­pre re­a­va­li­ando a cada aten­di­mento. O fi­si­o­te­ra­peuta dis­põe de um enorme ar­se­nal téc­nico. Temos téc­ni­cas ma­nu­ais onde apli­ca­mos uma mo­bi­li­za­ção to­tal­mente pas­siva nos te­ci­dos, que per­mite ga­nho de mo­bi­li­dade e fa­vo­rece o mo­vi­mento ativo. Todo o tra­ta­mento se­gue uma sequên­cia de acordo com a evo­lu­ção de cada pa­ci­ente. Nós pre­pa­ra­mos o corpo para o mo­vi­mento ativo. Somos ex­perts em mo­vi­mento nas suas mais va­ri­a­das ver­ten­tes.

Protocolos pron­tos são de­sa­con­se­lha­dos em pós-operatório de ci­rur­gias plás­ti­cas, uma vez que os pa­ci­en­tes se­guem com uma va­ri­e­dade enorme de sin­to­mas, que de­vem ser abor­da­dos com in­di­vi­du­a­li­dade.

A você pa­ci­ente, aler­ta­mos ainda para o fato que in­fe­liz­mente, mui­tos fi­si­o­te­ra­peu­tas atuam fora dos pa­drões de­fen­di­dos pela FISIOTERAPIA – Ciência da re­cu­pe­ra­ção FUNCIONAL.

A fa­ci­li­dade da uti­li­za­ção de pro­to­co­los pron­tos, que não exi­gem ra­ci­o­cí­nio, que os torna me­ros tec­ni­cis­tas, pode pre­ju­di­car os re­sul­ta­dos e atra­sar sua re­cu­pe­ra­ção.

Quando bus­car um fi­si­o­te­ra­peuta, fi­que atento! O aten­di­mento fi­si­o­te­ra­pêu­tico co­meça com uma boa AVALIAÇÃO.

Muitos são fi­si­o­te­ra­peu­tas ape­nas de for­ma­ção, não de atu­a­ção.

Preserve sua ci­rur­gia e seus bons re­sul­ta­dos.